Genesis entra com pedido de recuperação judicial nos EUA

Empresa listou mais de 100 mil credores, sendo cerca de US$ 3,4 bilhões dos 50 maiores sem garantia

A credora de criptomoedas Genesis Global Holdco LLC deu entrada em seu pedido de recuperação de ativos e se tornou a mais recente empresa a entrar em colapso após a quebra da exchange FTX e a derrocada dos ativos digitais no ano passado.

A empresa, mais as subsidiárias Genesis Global Capital LLC e Genesis Asia Pacific Pte, entraram com pedido de proteção contra credores pelo Capítulo 11 no Distrito Sul de Nova York, mostram documentos judiciais. A Genesis Global Capital listou a mesma faixa, de US$ 1 bilhão a US$ 10 bilhões, tanto para ativos quanto para passivos, bem como para mais de 100 mil credores – as 50 principais reivindicações sem garantia totalizam cerca de US$ 3,4 bilhões.

O plano da Genesis é usar o processo do Capítulo 11 para tentar vender ativos e levantar dinheiro, com os credores ficando em posse do negócio se esses esforços não forem bem-sucedidos, informou o comunicado. A empresa pretende usar US$ 150 milhões em caixa para se financiar durante o processo de falência. O Capítulo 11 permite que uma empresa continue operando enquanto tenta encontrar maneiras de pagar os credores.

A controladora Digital Currency Group (DCG) estava em negociações confidenciais com vários grupos de credores em meio a uma crise de liquidez. A Genesis havia alertado que o caminho da recuperação de ativos era possível se não conseguisse levantar dinheiro.

A Genesis Global Trading e outras unidades envolvidas em negócios de derivativos e negociação à vista e custódia não fazem parte do pedido de falência.

A pressão financeira no DCG de Barry Silbert começou a surgir após o colapso do fundo de hedge Three Arrows Capital no ano passado. A unidade de empréstimo da Genesis suspendeu os saques em novembro, logo depois que a FTX – onde a Genesis detinha alguns de seus recursos – pediu recuperação. Os ativos digitais perderam cerca de US$ 2 trilhões desde o pico em 2021 e uma série de credores de criptoativos têm enfrentado dificuldades financeiras.

Os resgates e originações de empréstimos na operação de crédito da Genesis permanecem suspensos e as reivindicações serão tratadas no tribunal de falências, de acordo com o comunicado.

Silbert está travando uma batalha crescente com o cofundador da exchange de criptomoedas Gemini, Cameron Winklevoss, cujos clientes perderam o acesso a US$ 900 milhões em fundos que foram colocados na Genesis.

Ameaça de Ação Judicial

Winklevoss disse em um tweet após o arquivamento que “a menos que Barry e DCG caiam em si e façam uma oferta justa aos credores, entraremos com um processo contra Barry e DCG em breve”.

Um porta-voz da Genesis encaminhou um pedido de comentário à declaração da empresa. O DCG não respondeu imediatamente a um pedido de comentário enviado por e-mail fora do horário comercial.

Em janeiro, a Genesis demitiu cerca de 30% de sua equipe na última rodada de cortes de empregos. O chefe interino Derar Islim enviou anteriormente uma carta aos clientes dizendo que precisava de “tempo adicional” para encontrar uma solução para uma crise de liquidez na unidade de empréstimo.

O DCG, um dos pilares da indústria cripto, disse em 17 de janeiro que está suspendendo os dividendos trimestrais para preservar caixa.

O amplo negócio do grupo inclui a gestora de fundos de ativos digitais Grayscale Investments LLC. O Grayscale Bitcoin Trust, o maior investidor em criptoativos do mundo, tem negociado com um grande desconto em relação à quantidade de criptomoedas que possui, levando os acionistas a pedir mudanças.

Os preços dos ativos digitais enfraqueceram um pouco à medida que os mercados tomaram ciência das informações. O bitcoin oscilou pouco, perto de US$ 21 mil na manhã desta sexta. O token teve alta de 27% em 2023 até agora, reduzindo parte da queda de 64% do ano passado.

Fonte: Valor Econômico

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *