Por Fernando Lopes

A CASP, empresa brasileira que fornece equipamentos para armazenagem de grãos e para o segmento de proteína animal, informou que seu pedido de recuperação judicial foi deferido em 19 de fevereiro, 18 dias depois de ter sido apresentado.

Com problemas financeiras que resultaram em uma dívida pouco superior a R$ 45 milhões, a empresa, que foi fundada em 1936 e tem sede em Amparo, no interior paulista, registrou receita líquida de R$ 115,8 milhões em 2018. No auge, em 2015, a companhia chegou a faturar R$ 220 milhões.

Segundo a Corporate Consulting, contratada para reestruturar a CASP diante da crise, o objetivo é que a dívida seja renegociada em seis meses. A maior parte dos passivos é com bancos. A empresa espera retomar o ritmo normal de operações em dois anos.

Em nota, a CEO da CASP, Anelise Marques, afirma que os problemas da empresa começaram com as incertezas econômicas geradas depois do impeachment da presidente Dilma Rousseff, se aprofundaram com uma mudança de regra em uma linha de financiamento do BNDES e chegaram a um ponto crítico com os reflexos no mercado de equipamentos para o segmento de proteína animal das operação Carne Fraca e Trapaça.

Fonte: Valor Econômico