Por Alexandre Melo e Rodrigo Carro

Está sendo articulada a troca de comando da operadora de telecomunicações Oi, em recuperação judicial, segundo informações publicadas ontem na coluna de Lauro Jardim, no jornal “O Globo”. Eurico Teles, que está na presidência desde novembro de 2017, deixaria o posto em meados deste ano.

O nome mais forte para assumir a vaga seria de Rodrigo Abreu, que presidiu a TIM Brasil no período de março de 2013 a maio de 2016. Desde setembro do ano passado, ele é membro do conselho de administração da Oi.

A operadora afirmou que não vai comentar o assunto. Procurado pelo Valor, Abreu disse que “não comenta especulações”.

Em fevereiro do ano passado, Luiz Fernando Viana, juiz da 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, determinou que o Teles ficasse ao menos 12 meses, a partir da decisão, à frente da Oi. Esse prazo vence em fevereiro. Ou seja, a partir deste mês, ele pode ser substituído, se a empresa desejar.

O Valor apurou que nem a saída de Teles e nem a escolha de um substituto foram discutidas na reunião do conselho.

Funcionário de carreira na Oi, Teles era diretor jurídico antes de assumir o comando da operadora, após a renúncia de Marco Schroeder. O executivo ainda acumula o cargo de diretor jurídico.

Na semana passada, Teles afirmou ao Valor que a companhia desembolsará ao longo do ano R$ 1,9 bilhão para cumprir obrigações assumidas em seu plano de recuperação judicial, aprovado no fim de 2017.

Segundo o presidente da Oi, a execução de dois pontos-chave do plano de recuperação — a conversão de dívida em ações e a capitalização — torna a companhia mais atraente. “A noiva é hoje muito mais bonita que no passado, [mas] ela não está preparada para casar”.

Fonte: Valor Econômico